Quinta-feira, 26 de Abril de 2012

# 19

um colhão de meses depois, mesmo eu que não percebo um ovo da poda, posso garantir que aquilo (aquilo de ser tão cliché ao ponto de não ter força para empurrar as caravelas na direção de um outro caralho qualquer) pode acabar à coronhada. por que, no fundo, são coronhadas que levam um gajo a concluir que isto até dava uma daquelas anedotas dos cúmulos, onde dar continuidade às cenas é tão fácil como aborrecido.

 

contudo, este blogue ainda oferece uma justificação muito simples e casuística da sua existência: alguém que não rabisque um blogue não é capaz de valorar nenhum outro correctamente. o que, no limite, até significa dizer que a raiz gambozina dos argumentos é esta: sem que eu expelisse as razões para edificar vinte e tantas torres de Pisa sobre este permafrost, a dificílima tarefa de acompanhar as merdas não daria lugar a nenhum esquema suficiente para compreendê-las, o que sem fazer flores e abordando os factos nas suas dimensões específicas, implica chumbar o estágio sebastiânico a que este blogue chegou.

 

O mais peor às 22:04
link do post | comentar